Contos e histórias: Sonho de uma noite de verão

Olá!

Vamos falar um pouco hoje sobre este ballet aqui no blog!

Midsummer night’s dream- Tony Spielberg

Sonho de uma noite de verão é uma história escrita por Willian Shakespeare, em meados de 1590.

George Balanchine coreografou sua versão de Sonho de uma noite de verão em 1962, é composto por dois atos e música composta por Felix Mendelssohn com adição das seguintes composições extras: Overture to Athalie, Opus 74; Overture to The Fair Melusine, Opus 32; excerpts from The First Walpurgis Night, Opus 60; Symphony No. 9 for Strings; Overture to Son and Stranger, Opus 89.

Já a versão de Federick Ashton possui um ato e foi lançada em 1964.

Esta história é muito conhecida como “Dream” por conta da fantasia que é envolta nos acontecimentos da peça. É um ballet que sempre foi associado ao amor e magia.

De acordo com o folclore europeu, a noite em que se passa a peça é uma noite mágica, onde fadas e outros seres sobrenaturais podem interagir com o mundo real. É uma data próxima ao solstício de verão, que era a época em que se faziam rituais dedicados ao amor.

O primeiro ato se passa em uma floresta, onde Oberon e Titania, rei e rainha das fadas, conversam sobre a criança que eles desejam. Oberon ordena a Puck que traga a flor perfurada pela flecha de Cupido (o que faz com que qualquer pessoa sob sua influência se apaixone pela primeira pessoa que os olhos virem) e, enquanto Titânia está dormindo e sem saber, ele lança o feitiço da flor sobre ela.

Neste momento, Helena, que estava caminhando pela floresta, conhece Demétrio, a quem ela se apaixona, mas ele não a ama. Demétrio a rejeita e segue seu caminho. Oberon percebendo esse fato, diz a Puck usar a flor em Demetrius para que ele possa retribuir o afeto de Helena.

Balanchine utiliza muitos pas de deux para retratar as situações. Abraços súplicas perturbadas e resistência a atenção indesejada. Oberon e Titania não dançam juntos mas sempre performam solos onde celebram sua admiração.

Midsummer Night’s dream – The Royal Ballet – foto Johan Persson

Hermia e Lysander, um casal muito apaixonado, também estão pela floresta. Eles se separam por um momento e Puck, ansioso para cumprir as ordens de Oberon, unge Lysander por engano. Helena aparece, e Lysander, sob o feitiço da flor, imediatamente e para seu espanto diz a ela o quanto a ama. Hermia agora retorna e fica surpresa e desanimada ao ver a situação. Puck consegue trazer Demetrius, também, sob o feitiço da flor, para o deleite de Helena, que não se importa com Lysander.

Demetrius e Lysander, agora ambos apaixonados por Helena, começam a brigar por ela. Puck, por ordem de Oberon, separou Bottom, um tecelão, de seus companheiros e transformou sua cabeça na de um burro e o colocou aos pés da adormecida Titânia. Ao acordar,Titânia vê Bottom, acha-o justo e dá-lhe atenção e amor. Finalmente Oberon, com sua raiva acabada, manda Bottom embora e libera Titânia de seu feitiço.

A Midsummer Night’s Dream – Royal New Zealand Ballet. Photo credit: Stephen A’Court. COPYRIGHT ©Stephen A’Court

Hermia ficou sozinha e Helena com muita atenção voltada para ela. Os rapazes, completamente em desacordo, discutem e lutam. Puck, com sua magia, faz com que eles se separem, se percam e vaguem separados na floresta até que, exaustos, eles caiam no sono. Puck fez com queHelena adormecesse ao lado de Demetrius e Lysander (seu feitiço removido) por Hermia.

NYC Ballet – foto: Paul Kolnik

O Segundo Ato abre no palácio do duque com desfiles, danças e divertissements em homenagem aos casais recém-casados. Quando as celebrações terminam e os mortais se retiram, retorna-se aos domínios de Oberon e Titânia, que agora estão reunidos e em paz. E, finalmente, Puck, tendo colocado ordem na desordem, varre os restos das ações da noite. Os vaga-lumes cintilam à noite e reivindicam a floresta.

Balanchine no segundo ato focou da dança formal e nos divertissements, e finaliza com um climax onde o pas de peux representa o amor ideal.

Midsummer Night’s dream – Versão de Balanchine pela NYC Ballet

Gostou de conhecer mais sobre este ballet?

Até a próxima,

Mariana Prieto

Contos e Histórias: Anna Pavlova

Anna Pavlova é a bailarina a qual falaremos hoje!

Anna Pavlova em A Morte do Cisne

Anna Pavlova nasceu no dia 31 de janeiro de 1881, subúrbio de Ligovo, São Petersburgo, Rússia e foi criada por sua mãe, Lyubov Feodorovna.

Aos dez anos de idade, Pavlova foi aceita na Imperial Ballet School e se formou em 1899 na Imperial Ballet Company. Sete anos mais tarde, ela foi promovida a primeira bailarina. No período de 1908 e 1909, ela participou de pequenas turnês com Adolph Bolm, passando por lugares como Praga, Berlim e Viena.

Em 1907, Michel Fokine, cria para Anna Pavlova o que seria seu maior papel em sua carreira como bailarina: A morte do Cisne. Este solo, foi produzido com música de Camile Saint Saens, possui menos de quatro minutos de duração e se tornou a marca registrada de Anna Pavlova.

Variação de A morte do Cisne

Já em 1909, Anna Pavlova ingressa a primeira temporada da Sergei Diaghilev Ballet Russes em Paris. Lá ela performou ballets como Les Sylphides, Cleóprata e Le Pavillon D’Armida, criado por Michel Fokine. Logo após, em sua passagem por Londres, com seu partner Mikhail Mordkin, dançou na casa do Rei e Rainha da Inglaterra e nesta época passou a ser conhecida como a Taglioni Moderna.

Anna Pavlova estreia nos Estados Unidos em 1910, em Nova York, logo após com performance em Londres, no Palace Theatre.

Anna Pavlova formou sua própria companhia, a Pavlova Company, que era comandada por Victor Dandré.

Em sua passagem pela Alemanha, em 1914, guerra foi declarada contra a Rússia, e ela como cidadã russa foi imediatamente presa. Após ser liberta, levou sua companhia para Londres e posteriormente pela América do Norte.

Em 1916, ela participa do filme chamado The Dumb Girl of Portici e no ano seguinte, ela e sua companhia participaram com uma pequena versão de A bela adormecida no filme The Big Show.

Em 1917 e 1918, sua companhia realizou uma turnê pela América Latina e nesta viagem que Anna desenvolveu sua paixão pelas danças tradicionais. E nos próximos dez anos de sua vida, se dedicou a aprender sobre a dança de cada país que visitou.

Anna Pavlova se tornou uma celebridade na época por viajar com sua companhia por pelo menos 500,000 milhas e se apresentando para milhões de pessoas. Além de grande bailarina foi uma grande empresária e criou uma imagem muito popular na época, criando laços de amizades inclusive com Charles Chaplin.

Anna treinou com o renomado mestre Enrico Cecchetti o qual seu método ainda é ensinado nos dias de hoje.

Sua companhia prestou homenagens aos repertórios da Imperial Theater, e performou The fairy Doll, Don Quixote e Raymonda, bem como alguns divertissiments e realizou turnês até 1930. Sua última apresentação foi no dia 13 de dezembro de 1930, no Hipperdrome em Londres.

Em 1931, Anna Pavlova faleceu devido à complicações de uma pneumonia.

Anna é certamente um dos grandes nomes do ballet clássico e merece ser sempre reverenciada!

Beijos e até a próxima!

Mariana

Contos e Histórias: Marianela Núñez

Hoje nossos Contos e Histórias fala de uma bailarina da nossa atualidade: Marianela Núñez. Vem conhecer um pouco mais sobre sua carreia e trajetória no ballet clássico!

Marianela Núñez nasceu no dia 23 de março de 1982, em Buenos Aires, Argentina. Sua mãe a coloca nas aulas de ballet aos três anos de idade e aos seis, ela inicia seus estudos na Teatro Cólon Ballet School e aos quatorze já fazia parte da companhia.

Na companhia do Teatro Cólon, Marianela assumiu papeis no corpo de baile e como solistaem turnês internacionais. Participou também como bailarina convidada, ao lado de Maximiliano Guerra.

Em 1997, Marianela ingressa na Royal Ballet Upper School e logo em seguida, em 1998, entra para a companhia. Em 2000, ela foi promovida a primeira solista e em 2002, como bailarina principal quando tinha 20 anos de idade.

Marianela interpretou diversos papeis, tanto no ballet clássico quanto contemporâneo em obras de artistas como Frederick Ashton, George Balanchine, John Cranko, William Forsythe, Jirí Kylián, Kenneth MacMillan, Wayne McGregor, Ashley Page, Jerome Robbins, Liam Scarlett, Glen Tetley, Will Tuckett, Antony Tudor and Christopher Wheeldon.

Marianela Núñez em Giselle- Reprodução Google

Sem dúvidas, Marianela é uma grande artista e prova disso são os ínumeros prêmios conquistados em sua carreira. Em 2005, ela conquistou o prêmio de melhor bailarina no Critics’ Circle National Dance Awards, repetindo o prêmio em 2012 e 2018. Na Argentina, ela ganhou o Konex de Platino por melhor bailarina da década e o María Ruanova Award em 2011. Já na premiação Olivier Award por Realização extraordinária na dança em 2013, em reconhecimento de suas performances em  Viscera e nos papeis criados para ela em Aeternum e ‘Diana and Actaeon’ (Metamorphosis: Titian 2012).

Marianela em Aeternum- Reprodução Google

Em 2018, sua performance em Giselle, marcou seu vigésimo aniversário na companhia Royal Ballet e o diretor artístico Kevin O’Hare declarou que Marianela é uma das maiores de sua geração.

Além de primeira bailarina da Royal Ballet, Marianela se apresenta no mundo todo como bailarina convidada em companhias como a Vienna State Opera Ballet, American Ballet Theatre, La Scala, Milan, Ballet Estable del Teatro Colón, Ballet Argentino de La Plata e Australian Ballet.

Hoje, Marianela com 38 anos é uma das maiores bailarinas de nosso tempo e continua nos encantando com sua perfeição, paixão e técnica.

Só assistam esse video! Maravilhosa performance em Jewels, ao lado de Thiago Soares.

Gostou de conhecer mais sobre Marianela?

Beijos e até a próxima!

Contos e Histórias: Rudolf Nureyev

Mais um conto e histórias aqui no blog, e hoje o artista escolhido é o incrível bailarino, Rudolf Nureyev!

Rudolf Nureyev – Reprodução Google

Rudolf Nureyev nasceu no dia 17 de março de 1938, na Sibéria, Rússia. Era o mais novo de quatro filhos e veio de uma família humilde. Sua mãe, o levou para assistir certa vez, Song of Cranes no teatro, e ao assitir, Rudolf ficou impressionado com aquela apresentação.

Começa as aulas de ballet na infância, por recomendação da escola, que percebeu o grande talento de Rudolf nas danças folclóricas.

Aos quinze anos, ele começa a treinar profissionalmente em uma escola local e logo prestou audição para o Bolshoi Ballet Academy e também para o Kirov Vaganova Academy. Ele acaba escolhendo pela escola Vaganova. Lá, ele se torna pupilo de Pushkin, mas trazia consigo um temperamento forte, o qual era controlado por seu mestre Pushkin que se tornou uma figura paterna para Rudolf.

Em 1958, depois de sua graduação, se torna solista no Kirov, estreando com Laurentia ao lado de Natalia Dudinskaya.

Laurentia

Depois de se apresentar com o Kirov em Paris, Rudolf em 1961, começa a dançar para o Grand Ballet du Marquis de Cuevas. Neste mesmo ano, ele foi convidado por Margot Fonteyn para dançar em uma gala, porém ele se recusou e optou para dançar um solo feito especialmente para ele, chamado Poème tragique, por Frederick Ashton que ofereceu a ele uma vaga no The Royal Ballet após ficar impressionado com sua apresentação.

Finalmente em 1962, ele dança ao lado de Fonteyn o ballet Giselle, que marcou o início de uma grande amizade entre eles. Ele permaneceu na Royal ate 1970 e se tornou diretor da Paris Opéra Ballet em 1983 onde teve a oportunidade de dar cara nova a companhia, trazendo novos bailarinos e criando coreografias.

Nureyev e Fonteyn em Giselle

Apesar de doente, ele continuou trabalhando até 1992, quando produziu La Bayadère. Foi uma despedida emocionante.

Filme Biográfico de Rudolf Nureyev lançado pela HBO

“Para mim, pureza do movimento não é suficiente. Eu precisava de expressão, mais intensidade, mais mente”. (Rudolf Nureyev)

Gostaram?!

Beijos e até a próxima;

Mariana

Fonte: Ballet – The definitive illustrated book

Contos e Histórias: Sylvie Guillem

Olá!

Hoje no nosso Conto e histórias vamos falar um pouco sobre a trajetória da bailarina Sylvie Guillem!

Sylvie Guillem – Imagem Reprodução google

A bailarina francesa, Sylvie Guillem, nasceu no dia 23 de fevereiro de 1965, em Paris. Filha única de um pai mecânico e mãe ginasta, aos 11 anos além de fazer parte do time júnior francês olímpico, foi convidada pela Paris Ópera Ballet para realizar um intercâmbio.

Aos dezesseis anos, ela entra para o corpo de baile da Ópera de Paris que três anos depois entra sob direção artística de Rudolf Nureyev. Em 1987, ela ganha um papel escrito especialmente para ela por William Forsythe em In the Middle, Somewhat Elevated.

Video de Sylvie Guillem em – In the Middle, Somewhat Elevated.

Ela era estrela na companhia, mas se sentia frustrada pelo nível de controle sobre ela e decidiu sair depois de cinco anos, quando se junta a The Royal Ballet, em Londres. Nesta épocaela treinava junto aos bailarinos homens e desenvolveu habilidades, inclusive sua marca registrada, sua perna elevada em posição de seis horas.

Buscando mais liberdade na dança, Guillem começa a explorar a dança contemporânea e em 1995 trabalha em Evidentia, um filme de dança contemporânea misturada a um trabalho de filmagem avant-garde.

Trecho de Sylvie Guillem em Evidentia

Já em 2003, ela performa uma versão de Carmen pelo coreógrafo Mats Ek. Em 2003 ela colabora com o coreógrafo renomado de contemporâneo, Russel Maliphant, em Broken Fall, e dois anos depois em Push.

Em 2007, Guillem sai da Royal Ballet e se torna uma artista associada na Sadler Wells Theatre.

Aos 50 anos, Guillem fez sua turnê de despedida, chamada Life in Progress, que terminou no Japão com uma produção de Maurice Béjart, Bolero.

“Eu fiz do jeito que eu queria. Todos esses anos o melhor que eu posso ser.” Sylvie Guillem

fonte – Ballet: The definitive illustrated story

Sylvie é sem dúvidas, uma grande bailarina e intérprete de grandes trabalhos clássicos e contemporâneos.

Gostou do post? Curta e compartilhe!

Beijos,

Mariana Prieto

Contos e Histórias: Agrippina Vaganova

Olá, tudo bem?

Vamos falar um pouquinho sobre a trajetória de Agrippina Vaganova, fundadora do método Vaganova de ballet clássico.

Agrippina Vaganova nasceu em 1879 em São Petesburgo, era filha de um porteiro no Teatro Maryinsky e desde muito nova teve contato com o ballet. Iniciou seus estudos na Escola Imperial de Ballet e em 1897, entra para o corpo de baile do Teatro Maryinsky. Seu talento foi logo reconhecido por Petipa, e ela começa a ser reconhecida por Rainha das Variações. Foi nomeada como primeira bailarina e manteve este título até quase o final de sua carreira artística, sendo que o título de Étoile, foi concedido a ela somente em 1915, um ano antes de sua aposentadoria oficial.

Vaganova deixa os palcos e passa a se dedicar somente ao ensino do ballet clássico e de 1931 a 1937 ela ocupou a posição de Diretora Artística do Kirov Ballet. Em 1934, ela escreveu o livro Bases da Dança Clássica, com impacto considerável.

Durante os anos que Vaganova se dedicou ao ensino, desenvolveu um preciso método de técnica e sistema de instrução. Neste método, ela sintetizou tudo o que aprendeu com seus mestres junto com seus conceitos de possibilidades de movimentos e técnica. Como resultado, temos um brilhante método combinado com amplitude de movimentos e maleabilidade da parte superior do corpo que são a grande marca do trabalho de Vaganova.

Vaganova também usou recursos como a fluidez e expressividade dos braços do método francês, como os saltos e giros do método italiano, planejando seus estudos para desenvolver sua própria técnica. Uma das grandes singularidades em seu trabalho, sem dúvida é o desenvolvimento da força da parte inferior das costas, e um trabalho minucioso para flexibilidade bem como expressividade e braços longilíneos. Um trabalho completo onde o bailarino ao mesmo tempo que encanta por sua graça, encanta por sua força.

Vaganova formou diversas grandes bailarinas, como: Marina Semeonova, Olga Jordan, Natalia Dudinskaya e Irina Kolpakova, cujo refinamento é lembrado até hoje.

Gostou?

Compartilhe para que mais pessoas vejam o trabalho desta incrível bailarina!

Beijos e até mais!

Fontes: VaganovaAcademy.ru ; Escola Bolshoi; Dictionnaire du Ballet Moderne.

Contos e Histórias: Margot Fonteyn

Olá, tudo bem?

Toda terça falaremos sobre alguma curiosidade, fato histórico ou personalidade da dança.

Para darmos início à este projeto, começo com a estrela da Royal Ballet, Margot Fonteyn.

Margot Fonteyn na infância – Foto: site Royal Academy of Dance

Margot Fonteyn nasceu em 18 de maio de 1919, na Inglaterra e seu nome de batismo é Margaret Evelyn Hookham. Sua mãe, filha de brasileiro, a encorajou a começar seus estudos no Ballet clássico aos quatro anos de idade. Sua infância foi dividida entre a Inglaterra, América e China e depois de trabalhar a dança com Gontcharov e Astafieva, ela se junta à Vic- Wells Ballet, onde aos 16 anos, dança seu primeiro papel principal como Odile/ Odette no Lago dos Cisnes. Em 1946, quando a companhia foi realocada para a Royal Opera House, Margot performou como Aurora, em A Bela Adormecida.

De acordo com o livro Ballet, The Definitive illustrated book, Margot tinha um apelo e uma personalidade que eram perfeitas para o ballet. Era uma bailarina excepcional, se tornou a bailarina favorita inglesa e quando a companhia visitou Nova York, em 1949, ela conquistou os corações dos americanos também e se tornou a primeira bailarina a ser capa da revista TIME.

Capa da revista TIME – reprodução Google

Aos 42 anos, quando Margot já dava indícios de uma aposentadoria, ela dança com Nureyev, performando Giselle em 1962 e se tornaram a maior parceria no ballet clássico. Com esta parceria, Nureyev estende a carreira de Margot em mais quinze anos.

Margot continuou sua carreira até os 60 anos, muito por conta de seu marido Tito, que havia levado um tiro que o deixou em cadeira de rodas. Assim que se aposentou, foi nomeada como Prima Ballerina Assoluta, a única na The Royal Ballet com este título.

Margot Fonteyn em O pássaro de Fogo – reprodução google

Após sua aposentadoria, Margot se muda para o Panamá, onde viveu seus últimos anos de vida ao lado de seu marido, Tito.

Um dos papéis mais emblemáticos de sua carreira, sem dúvida é Odette/ Odile em Lago dos Cisnes, onde fez par com Nureyev em 1951. O livro Dictionnaire du Ballet mostra como Margot era uma pessoa de extrema elegância, educada, com muita ternura e que foram expressas maravilhamente em papéis em ballets como Nocture, The Wise Virgins, Symphonic Variations e Cinderella.

Margot Fonteyn é uma das maiores estrelas da história do ballet clássico e conforme citado no livro Dictionnaire du Ballet, ela é o coração do classicismo. Ela envolve com sua coordenação os movimentos de cabeça, dos braços e do seu tronco, é uma lição sobre a natureza da arte.

Veja aqui mais algumas fotos sobre a vida desta estrela do ballet clássico:

Gostaram de ver um pouco mais sobre Margot Fonteyn?

Beijos e até a próxima!

Fontes: Dictionnaire du Ballet Moderne (1957) e Ballet, The Definitive illustrated book. (2018)